Feira Artesanato da Bahia em Salvador promove encontro cultural do artesanato com a moda, a música e a poesia

No último final de semana, 12 e 13 de março, centenas de pessoas se reuniram no Museu de Arte Moderna da Bahia (MAM) para apreciar as belezas do artesanato produzido por artesãs e artesãos do estado, na Feira Regional Artesanato da Bahia. Nesta edição, os visitantes também curtiram música, moda e poesia, com grandes atrações culturais.

A cerimônia de abertura foi conduzida por Ângela Guimarães, coordenadora de Fomento ao Artesanato da Secretaria do Trabalho, Emprego, Renda e Esporte (CFA/Setre) e contou com as participações de Margareth Menezes, cantora e presidenta da Associação Fábrica Cultural, Davidson Magalhães, secretário do Trabalho, Emprego, Renda e Esporte, Ana Rita Andrade, superintendente de Educação Profissional do Serviço Nacional de Aprendizagem Comercial (Senac/BA), Julieta Palmeira, secretaria de Políticas para as Mulheres da Bahia, Pola Ribeiro, diretor do Museu de Arte Moderna da Bahia, Fernando Ferreiro, representante da Secretaria de Turismo do Estado da Bahia (SETUR) e Cristiane Taquary, representante da Secretaria de Cultura, entre outras autoridades.

No sábado (12/03), foi possível apreciar um desfile de moda artesanal assinado por Tininha Viana, em parceria com o Senac. Os trajes que vestiram modelos apresentaram uma diversidade de elementos e peças produzidas por artesãs e artesãos, mostrando representatividade étnica e valorizando a moda artesanal. Ainda no mesmo dia, o ator e diretor Jackson Costa iniciou um recital de poesias, que seguiu até o segundo dia de feira, em homenagem a grandes poetas baianos, como Gregório de Matos e Castro Alves, nomes que se destacaram nas palavras ditas por Jackson.

Nos estandes da feira, uma grande variedade de produtos artesanais foram comercializados: cestaria de Ilha de Maré, cerâmica de Maragogipinho, crochê, macramê, biojoias, esculturas em metal, acessórios em prata, cerâmica esmaltada, artesanatos indígenas, bonecas de panos, artesanato em papel e retalhos de tecidos, bordados diversos, redendel, renda de bilro, entre outros.

O mestre artesão Manoel Messias trabalha com cerâmica há cerca de 40 anos e levou suas esculturas e peças utilitárias para comercializar na feira. “A feira tem nos proporcionado o prazer de estar mostrando o trabalho direto ao público e recebermos o carinho das pessoas que falam o que acham e valorizam o nosso trabalho”, disse Manoel sobre sua participação.

O secretário Davidson Magalhães, titular da Setre, visitou os estandes e conversou com expositores do evento. Em um momento especial, na cerimônia de abertura, o secretário lembrou do #MarçodoArtesnato e falou da importância das políticas voltadas ao setor. “Esse é o mês do artesanato, mês das artesãs e artesãos, nesse sentido, é muito importante a realização dessas feiras, porque são oportunidades de negócios. Toda essa política do artesanato está sendo implementada para a gente consolidá-la como instrumento que reafirma a imagem e valores culturais da Bahia.” Magalhães também citou quais os objetivos da realização das feiras: “Resgatar nossos valores, fortalecer nossa cultura e transformá-la em um grande instrumento de negócio para as pessoas que vivem dela no dia-a-dia”, completou.

Ângela Guimarães, Coordenadora de Fomento ao Artesanado (CFA-SETRE), destacou a importância de retomar a atividade econômica no setor artesanal e a função da Feira Regional em valorizar a cultura e idadentidade da Bahia. “Após dois anos sem ações como esta em Salvador, em decorrência da pandemia do Covid 19, a Feira Artesanato da Bahia chega ao MAM integrando várias expressões da cultura e se consolidando como importante instrumento de geração de trabalho e renda para o segmento artesanal. O que vimos neste fim de semana, foi a grandeza que o artesanato representa na vida do estado: beleza, expressão da identidade cultural e fator agregador de pessoas e propósitos. Foi um momento de grande celebração cultural!”, comentou.

A cantora Margareth Menezes aproveitou para expressar a sua satisfação em participar de um evento que incentiva o artesanato baiano. “Nós temos a Fábrica Cultural e todas as pessoas que somam para fazer essa exposição da qualidade do trabalho de quem consegue realizar com as mãos, sentimentos e imaginação obras de arte. Nós estamos há dois anos tendo o prazer de participar desse reposicionamento e qualificação”, comentou sobre a atuação da associação que preside, parceira da Coordenação de Fomento ao Artesanato da Setre na realização da feira. “O Artesanato da Bahia enfeita a vida da gente”, acrescentou a cantora.

Para encerrar a noite de sábado, o público aproveitou o som da banda Geleia Solar, anfitriã da tradicional JAM no MAM, que apresentou um repertório de jazz e música brasileira.

No domingo (13/03), alguns dos visitantes participaram de uma vivência em cerâmica de torno, realizada pela instrutora Janete Kislansky. Na ocasião, que reuniu cerca de 20 pessoas, Janete explicou o processo de modelagem em torno elétrico e auxiliou as participantes a fazerem jarros de barro.

O último dia de feira ganhou o público com o show de encerramento realizado pelas Ganhadeiras de Itapuã, com a participação especial da cantora Margareth Menezes. O show comemorou o aniversário de 18 anos do grupo musical e apresentou em seu repertório clássicos como “As Ganhadeiras de Itapuã”, “Festa Na Aldeia” e outras tradicionais cantigas do samba-de-roda da Bahia. Faraó, Dandalunda e até uma demonstração de “Terra Afefé”, novo single de Margareth, também divertiram as pessoas no MAM.

A realização da Feira Artesanato da Bahia é uma iniciativa da Coordenação de Fomento ao Artesanato da Secretaria do Trabalho, Emprego, Renda e Esporte (Setre), em parceria com a Associação Fábrica Cultural. O evento em Salvador contou com o apoio da Rede Bahia, Museu de Arte Moderna da Bahia, Instituto do Patrimônio Artístico e Cultural da Bahia – Ipac, Secretaria de Cultura e Serviço Nacional de Aprendizagem Comercial – Senac.

preloader